Arcanjo Miguel, um Caminho para a Humanidade

Arcanjo Miguel

Arcanjo Miguel não representa apenas o comandante dos exércitos celestiais, aquele que triunfou sobre as forças do mal, o Arcanjo protetor. O Arcanjo Miguel representa acima de tudo um caminho, uma direção a ser seguida. Ele representa um convite para que os homens usem o seu discernimento para escolher o caminho da Luz e lutem, como guerreiros de Miguel, por um mundo de Paz, Amor e Harmonia!

Arcanjo Miguel, um Caminho para a Humanidade.

Falar sobre o Arcanjo e sua missão é sem sombra de dúvida uma tarefa difícil para qualquer ser humano, pois devido às diversas faixas evolutivas que existem entre um Arcanjo Solar (como Miguel) e o homem comum, temos somente uma pálida ideia sobre a sua atuação e missão.

Podemos encontrar informações sobre esse assunto se analisarmos a lista de eventos relacionados ao Arcanjo citados nas escrituras sagradas ou se estudarmos detalhadamente a série de eventos relacionados à evolução do homem, conforme explicado pela Teosofia e Antroposofia.

Neste artigo vamos abordar o conhecimento transmitido através destes últimos, deixando as informações ligadas ao conhecimento religioso para um segundo momento.

Regência do Arcanjo Miguel

Atualmente o Arcanjo Miguel, de acordo com a Antroposofia, coordena diretamente a evolução da humanidade na Nova Era.

Esta coordenação é devido a necessidade de neutralizar a brutalidade e o materialismo reinante nos séculos passados para que as novas energias, ligadas ao espírito do Cristo, sejam vivenciadas!

Segundo a Ciência Espiritual de Rudolf Steiner (Antroposofia) o Arcanjo Miguel assumiu por diversas vezes a regência de nosso planeta.

Eis as 3 últimas regências, segundo R. Steiner:

  • 5200 AC – 4779 AC

  • 2279 AC – 200 AC

  • 1879 – 2300

Antepenúltima Regência

  • 5200 AC – 4779 AC (idade do cobre e do ferro até surgimento da escrita)

Período correspondente à pré-história, na qual a consciência humana era ainda pouco individualizada e as historias eram baseadas em mitos e lendas. Nesta época os deuses “andaram” pelo mundo fazendo sentir a sua presença em cada aspecto da vida. A presença dos deuses era percebida “no nível coletivo ou da tribo”, porém dificilmente no aspecto individual. Houve o início do florescimento das Escolas de Mistério, apesar de não haver ainda uma religião formatada.

Penúltima Regência

  • 2279 AC – 200 AC (Período pós-diluvio – Império Egípcio-Cultura Grega-Império Romano)

Durante o segundo período, temos os impulsos evolucionistas provocados pelas escolas de Platão e Aristóteles e o nascimento de Alexandre, o Grande (356 AC). De acordo com Stainer, Miguel preservou o conhecimento aristotélico e através dele inspirou Alexandre, o Grande, que espalhou a essência da cultura grega por todo o Extremo Oriente até a Índia. Neste período a humanidade, na medida em que perdia quase totalmente o contato direto (consciência inspirada) com o Divino, trilhou cada vez mais o caminho da lógica e do racionalismo, o que possibilitou que o homem fortalecesse a sua consciência como um indivíduo, uma individualidade com um ego bem definido. Com a destruição do Templo de Ártemis (Diana) em Éfeso termina a Era das Escolas de Mistério.

Acontecimentos importantes durante período entre Regências

  • 200 AC – 1879
  • Começa o grande período das religiões monoteístas (necessárias, pois o homem perdera anteriormente a capacidade de ter o contato direto com o divino).
  • Acontece a encarnação de um grande ser de Luz, o Cristo, dando a cada ser humano a possibilidade de um novo acesso à espiritualidade; um acesso que não é mais realizado na forma de uma comunicação de cima para baixo, mas na forma de um caminho procurado e desejado através do livre-arbítrio humano.
  • Miguel, como regente cósmico e representante do Cristo, em seguida, renuncia ao seu poder sobre a evolução da raça humana para auxiliar o homem a desenvolver sua própria inteligência, auxiliando-o a germinar a semente do espírito (mente = espírito) deixada pelo Cristo no corpo de cada ser humano.
  • As lutas cristãos – muçulmanos (cruzadas) marcando a história da Europa, tanto em termos de guerras quanto nas disputas teológicas – filosófica.
  • Durante este período delicado Miguel não atuou diretamente sobre os acontecimentos, pois escolheu respeitar o livre arbítrio do homem.
  • Quando se aproximou o período da nova regência, como uma contraofensiva contra as energias sombrias

    Miguel com desencarnados

    que cercam o planeta, Miguel promove um concílio (no plano etérico) com todas as almas humanas em sintonia com a missão miguelina para instrui-los e prepará-los como agir como soldados da Luz ao reencarnarem durante a sua próxima regência.

 

Na iconografia russa encontramos algumas belas representações deste evento, que foram intituladas “Miguel com os desencarnados

 

Atual

  • 1879 – 2300 (desde o período pré-Guerras Mundiais até o presente).

 

O Culto ao Arcanjo Miguel

O culto ao Arcanjo Miguel surgiu no Oriente.

O Arcanjo Miguel tradicionalmente simboliza as forças do sol, do renascimento, da ressurreição espiritual, da liberdade, do espírito…

Miguel também é considerado como o responsável pelo direcionamento da inteligência cósmica.

Por sua característica, o Arcanjo Miguel no Oriente é venerado mais “como o Príncipe da Milícia Celeste ou Archistratega” do que como o Anjo guerreiro que luta contra as forças do mal.

Nota: O título de “archistratega” corresponde ao título latino “de caelestis militiae princeps” (príncipe do exército celeste).

Outra sua característica no Oriente é a de gerir a inteligência cósmica, levando ao homem os impulsos cosmogônicos de conhecimento e cura.

A veneração ao Arcanjo também está ligada aos milagres conhecidos e que foram associados a águas curativas.

Este aspecto de Miguel teria certa ligação com a lenda de cura através de Hermes / Mercúrio (tal como no Caduceu de Mercúrio, o símbolo dos médicos).

Nota: Com o domínio da Grécia por Roma, Hermes foi assimilado ao deus Mercúrio, e através da influência egípcia, sofreu um sincretismo também com Toth, criando-se o personagem de Hermes Trismegisto.  Ambas as assimilações tiveram grande importância, criando rica tradição e perpetuando sua imagem através dos séculos até a contemporaneidade, exercendo significativa influência sobre a cultura do ocidente e de certas áreas orientais em torno do Mediterrâneo, chegando até à Pérsia e à Arábia. As figuras de Hermes e de seu principal distintivo, o caduceu, ainda hoje são conhecidas e usadas por seu valor simbólico. John C. Lawson, escritor inglês autor do livro “Modern Greek Folklore and Ancient Greek Religion”, afirmou que parte da simbologia ligada ao Arcanjo Miguel é uma herança de Hermes, lembrando que ággelos, em grego, significa mensageiro, e é a origem da palavra Anjo. Hermes era o ággelos áthanáton, o mensageiro dos imortais. Essa associação parece comprovada pela quantidade de capelas francesas dedicadas a São Miguel erguidas sobre antigos templos de Mercúrio, que haviam sido largamente sincretizado a deuses celtas correspondentes. Exemplos nas ilhas britânicas também foram atestados. Tradições medievais faziam associações semelhantes quando descreviam São Miguel como aquele que foi incumbido de conduzir os mortos para a Luz Eterna, e os cemitérios medievais muitas vezes foram consagrados a ele como o protetor dos mortos, remetendo à função de Hermes como psicopompo, o condutor das almas para o reino de Hades (Deus do mundo dos mortos).

Arcanjo Miguel também foi cultuado devido às práticas de incubação (a prática de uma pessoa dormir num lugar sagrado para obter revelações divinas através de sonhos ou cura) realizadas em locais de culto, assim como suas frequentes aparições em diversos lugares, muitas vezes indicando aonde ele desejava que fosse construído o seu santuário.

Na Itália, o culto a Miguel inicia-se ao redor dos anos  400 DC através dos milagres  que culminaram na criação do “Santuario di San Michele Arcangelo” no Monte Sant’Angelo na península de Gargano, província de Foggia.

O culto à Miguel foi divulgado pelos lombardos que encontraram na figura deste grande Anjo guerreiro algo similar ao seu modo de vida. Por esta razão, difundiram o culto de Miguel  por toda a Europa, construindo mosteiros e igrejas em sua homenagem, os quais foram localizados principalmente ao longo das estradas.

Como prova na Itália o culto ao Arcanjo pode ser observado nas cavernas e santuários espalhados ao longo das rotas de pastagem e de comércio, enquanto que no nível europeu ele é ressaltado através da consagração dos grandes santuários:

  • Mont Saint Michel (Normandia-França),
  • Sacra di San Michele (Piemonte – Itália)
  • Santuario di San Michele Arcangelo (Foggia – Itália).

Aqui vemos como as grandes linhas de peregrinação da Europa:

  • a Via Sacra Langobardorum (rota dos Lombardos – de Roma a Mont Sant’Angelo),
  • a Francigena (rota dos Francos – de Calais passando por Sacra de San Michele – Roma – Mont Sant’Angelo seguindo em direção de Jerusalém),
  • a Via Sacra Michaelis

mantiveram viva e evidente a presença pulsante do sincretismo Miguel  /  Mercúrio.

Sincretismo este lincado à comunicação e ao movimento, não só de pessoas, mas de informação e de conhecimento.

As informações foram copiadas e distribuídas entre as diversas abadias e conventos, juntamente com os textos tradicionais e os relatos dos milagres ligados a Miguel.

A Via Sacra Michaelis representa a espada de Miguel, um símbolo do caminho e do percurso. Ela inicia no continente europeu no Mont de Saint Michael na Normandia/França, passa na Itália por Sacra di San Michele no Vale di Susa e termina no Santuario di San Michele Arcangelo em Foggia.

Depois a Via Sacra Michaelis caminha para o coração do cristianismo em Jerusalém, como uma projeção da energia de Miguel no tempo e espaço.

Apesar de que a cristianização da Europa tenha ocorrido através do impulso dado pelos lombardos e por Carlos Magno, é importante notar que no Oriente floresceu uma cultura impregnada com as noções aristotélicas, mesmo que tenha sido a  antítese dos conceitos cristãos, e que atingiu níveis mais altos na poesia, arte, astronomia, medicina etc.

O legado remanescente das Escolas de Mistério, que se tinham estabelecido ainda que secretamente na Europa, teve um impulso significativo com o retorno dos Cavaleiros Templários da Terra Santa.

O conhecimento Oriental nessa época foi revivido na forma cristã e juntou-se ao conhecimento existente das Escolas de Mistério, dando origem a uma infinidade de novos edifícios religiosos, nunca vistos antes na Terra.

Após esta etapa surge um grande período de decadência, conhecido por Kali Yuga (1250-1899).

Inicia-se a nova regência de Miguel  em contraposição das forças que esvaziaram a alma com o materialismo, a negação de Deus na Terra.

A tarefa de cada novo guerreiro de Miguel, juntamente com inúmeras almas ligadas ao Arcanjo, será trabalhar com a divulgação das noções de amor, da mensagem de unidade deixada pelo Cristo para impedir a disseminação dessa fragmentação sem esperança destinada à autodestruição.

A Missão de um Soldado de Miguel

Um guerreiro de Miguel (alma em sintonia com a energia do Arcanjo) deve trazer ao mundo a mensagem do Arcanjo através de sua vida, não se esquecendo do poder de cura da espada de Miguel contra o desespero da alma e do frio da solidão.

Em termos cristãos uma parte  do trabalho de cura de Miguel foi executada através da jornada da Virgem (Mãe Maria), deixando uma mensagem gravada na superfície dos lugares por onde andou; mensagem esta em sintonia com a energia de ambos, de Miguel e do Cristo.

Agora é a nossa vez de realizar a nossa jornada.

Como?

Fazendo exatamente o que fizeram aqueles que vieram antes de nós…

Peregrinando pelos locais energizados pela presença de Miguel ou de Maria.

Peregrinando em nosso íntimo (dentro de nós mesmo) à procura de Miguel, buscando as ranhuras que nossa sintonia com o Arcanjo deixou, falando, escrevendo, pensando em como a luz e energia de Miguel afeta positivamente nossos corações e nossas mentes.

Tornando viva a energia desta espada com que ele nos abençoou ao optarmos em segui-lo através do discernimento.

Construindo catedrais de pensamentos e atuando como o viajante que encontrou inspiração e conforto com a cura da alma e do espírito, ao beber da água impregnada da energia de Miguel e da leveza alcançada no corpo do peregrino.

Fontes:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Hermes

http://www.greekmythology.com/Olympians/Hades/hades.html

http://www.gargano.it/santuari/santuario-san-michele-monte-santangelo/

http://www.arcangelo-michele.it/SMA_storia_it.htm

https://it.wikipedia.org/wiki/Via_Francigena

http://www.webalice.it/paolorodelli/Longobardi/la%20via%20sacra.htm

 

Deixe seu comentário